domingo, 29 de abril de 2018

Vesícula Biliar - conheça sua função, e o que é colelitíase as famosas 'pedras na vesícula'

author photo

Imagem ilustrativa

A vesícula biliar é um órgão componente do trato gastrointestinal e das vias biliares. Trato gastrointestinal , provavelmente já é um termo habitual ao leitor, mas é provável que o sistema biliar não seja tão familiar. Vamos conhecer melhor: as via biliares são, principalmente, os ductos que conduzem a bile que é formada pelo fígado. Esta substância chega até o intestino, mais precisamente no duodeno, e após ser liberada ela encontra-se com os alimentos que estão em processo de digestão. É no meio de todo este trajeto que fica a vesícula biliar.
A vesícula por sua vez, não produz a bile, apenas a armazena em seu interior e a libera quando ocorre determinado estímulo hormonal, muitas vezes relacionado ao processo de digestão, ou seja, você se alimenta, e o organismo libera hormônios e substâncias que estimulam a vesícula a se contrair e liberar a bile para o intestino através das vias. Mas afinal, qual a função da bile? A bile tem uma função de emulsificar, ou seja, digerir a gordura que ingerimos em nossa alimentação. Todo este "mecanismo" funciona em um equilíbrio muito preciso, entretanto como toda máquina está sujeito há alguns imprevistos...
De 10 a 20% da população mundial é portadora da principal doença da vesícula biliar: a colelitíase, ou as famosas pedras na vesícula. Uma parte significativa desta população não tem sintomas e muitas vezes descobre o diagnóstico fazendo exames de ultrassonografia por rotina ou por outras causas. Em alguns casos ele resolve incomodar! As dores abdominais muitas vezes acompanhados de náuseas e vômitos,  desencadeados após uma alimentação rica em gordura ou carboidratos são as manifestações mais clássicas. Não é incomum a presença de sintomas que lembram as síndromes dispépticas, que são os quadros de refluxo, queimação no estômago, empachamento após alimentar-se e distensão abdominal. Uma das manifestações mais preocupantes é a colecistite aguda, que é uma inflamação súbita da vesícula, quando um cálculo literalmente causa um entupimento da saída da bile para as vias. É um quadro que necessita de internação e tratamento, na maioria das vezes cirúrgico.
Acredito que neste momento da leitura, deva-se perguntar o porquê da formação destes cálculos. São diversas explicações, vamos citar alguns: a bile dentro da vesícula contêm diversas substâncias uma delas é o colesterol. O colesterol é o principal agente formador dos cálculos. Dentro da bile existem outras substâncias, que por sua vez, ajudam a solubilizar, ou seja que impedem que o colesterol se agregue e forme cristais e depois os tais cálculos. Se ocorrer algum desequilíbrio nesta harmonia os cálculos podem se formar. Outra razão, alguns estímulos diminuem a capacidade da vesícula se esvaziar e liberar a bile para o intestino, por exemplo na gestação, logo a bile fica "represa" na vesícula e isto favorece o aparecimento dos cálculos.     
Alguns fatores aumentam o risco de ter colelitíase:
Sexo feminino, uso de alguns anticoncepcionais, muitas gestações, dieta rica em gordura, emagrecimento muito rápido (por exemplo após cirurgia bariátrica), IMC maior que 30, entre outros.
O principal tratamento é o cirúrgico. A via videolaparoscópica é a principal, associada a robótica que vem crescendo muito.
Entre as dicas para tentarmos evitar a formação de cálculos devemos ter em mente o cuidado com a alimentação e ficar atento ao peso corpóreo, no aparecimento de sinais que possam sugerir o quadro de colelitíase um cirurgião do aparelho digestivo deve ser procurado para diagnóstico e tratamento indicado.

Colaboração: Dr. Diego Garcia – Cirurgião do aparelho digestivo | Doutor TV em Revista!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Proxima Proxima
Anterior Anterior